Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

26 Outubro de 2020 | 18h43 - Actualizado em 26 Outubro de 2020 | 18h43

Lobito quer combater construções ilegais

Lobito - A Administração Municipal do Lobito, na província de Benguela, definiu os bairros da Cassay e do Bango Bango como locais apropriados para serem loteados para a auto-construção e, deste modo, contribuir no combate às construções ilegais.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

De acordo com o administrador adjunto para área técnica, Ernesto Carolócio, este projecto, denominado “Novo Lobito”, ainda não tem acções práticas, mas surge como solução para transferir pessoas que construíram em zonas de risco.

“Muitas residências foram erguidas em linhas de águas, bem como nas margens das valas de drenagem, o que representa um perigo para a vida humana”, alertou.

O responsável explicou que o “Novo Lobito” será dividido em blocos, resultado do crescimento populacional, tendo em conta os pedidos dos cidadãos para cedência de terrenos.

Em relação ao mercado em construção na cidade, o vice-administrador lamentou o comportamento de algumas feirantes que, mesmo com espaço cedido provisoriamente na zona do Atlético, no bairro do Liro, para vendas, continuam a fazê-lo noutros pontos.

“Esta situação tem criado vários constrangimentos ao empreiteiro, causando várias paralisações. Daí que não foram cumpridos os prazos iniciais, de Março a Maio deste ano, para acomodá-las”, justificou.

Por seu turno, as feirantes mostram-se agastadas, alegando que “seria bom construir primeiro o novo mercado e depois desactivar os espaços antigos”, temendo que as obras podem prolongar-se até o próximo ano.

A construção em zonas de risco e, na maior parte das vezes, sem autorização das autoridades administrativas, tem provocado ao longo dos anos várias mortes no município do Lobito, sobretudo no período chuvoso.

Na madrugada de 11 de Março de 2015, por exemplo, a província de Benguela foi fustigada por fortes enxurradas, que provocaram a morte de 64 pessoas e vários desaparecidos no município do Lobito, sobretudo nos bairros periféricos desordenados da zona alta, com graves problemas de saneamento e de falta de urbanização.

Leia também
  • 23/10/2020 14:38:26

    Covid-19: Cozinha comunitária atende mais de 300 crianças/dia

    Benguela - Trezentas e vinte crianças carentes são atendidas diariamente na cozinha comunitária da Igreja Tocoista, localizada no bairro 70, em Benguela.

  • 22/10/2020 21:15:41

    Pesqueiro "Figaro" retirado do cais por precaução

    Lobito - A Capitania do Porto do Lobito ordenou a retirada do navio pesqueiro "Figaro", de bandeira espanhola, do cais daquela empresa portuária da província de Benguela, por precaução, devido aos 380 mil litros de combustível e lubrificantes a bordo.

  • 20/10/2020 20:58:38

    Pesqueiro "Figaro" resgatado

    Lobito - O navio pesqueiro de bandeira espanhola "Figaro", que sofreu um incêndio na segunda-feira (19) em alto mar, atracou, nesta terça-feira, no Porto do Lobito, província de Benguela.