Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

22 Setembro de 2019 | 19h16 - Actualizado em 22 Setembro de 2019 | 19h16

Conferencistas querem promoção da paz e da tolerância

Luanda - Os participantes na Bienal Luanda - Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz recomendaram, neste domingo, na capital angolana, aos Estados africanos à promoção de conteúdos e abordagens educacionais informais, formais intersectoriais respeitante a diversidade cultural, os valores da paz e da tolerância.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Foto família no encerramento da Bienal de Luanda

Foto: Rosário dos Santos

Consideram a necessidade da criação de espaços de diálogo e convivência, incluindo necessidades específicas de pessoas e minorias vulneráveis, recomendando a adopção e apoios de abordagens que promovam a utilização de tecnologias de ponta como meio de melhorar o ensino e aprendizagem, bem como atender às necessidades de alfabetização e aprendizagem de grupos marginalizados.

Incentivaram os Estados afectados pelos conflitos no continente relacionados ao ecossistema transfronteiriço, particularmente nas regiões do Sahel, Grandes Lagos, Lago Chade e Baia do Congo,  a fortalecer ainda mais a colaboração entre os países afectados para garantir o gerenciamento sustentável desses recursos naturais.

Afirmam que os países africanos devem adoptar processos, práticas e estruturas eficazes para mitigar e gerir os efeitos da mudança climática e reduzir os danos potenciais associados ao deslocamento relacionado as alterações climáticas, incluindo sistemas de protecção social que reforçam a resiliência das mulheres e das crianças deslocadas.

Os Estados africanos são também aconselhados a promover, activamente, a adopção e integração da História de Geral de África nos seus respectivos sistemas de educação e currículos intersectoriais.    

Apontam o Fórum Pana-Africano para Cultura da Paz como alavanca da paz e do desenvolvimento centrado à dimensão humana e ancorada em aspirações e padrões universais de promoção dos direitos humanos.

Reconheceram à necessidade de se construir sociedades pacíficas e verdadeiramente inclusivas, intensificando o desenvolvimento e a implementação de políticas do género que abordem a vulnerabilidade de mulheres e meninas à violência.

A Bienal é uma plataforma que visa desenvolver e consolidar uma cultura de paz e não-violência, desencadeando um movimento Pan-Africano que promova a diversidade cultural e a unidade africana.

Sob o lema “Construir e preservar a paz: um movimento de vários actores”, a realização desse evento em Angola prova a vontade política do governo angolano em estabelecer uma cooperação cada vez mais estreita com a Unesco, para a promoção de uma cultura de paz em África.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 22/09/2019 18:41:47

    Ministro encoraja debate sobre diáspora africana

    Luanda - O ministro da Comunicação Social, João Melo, sugeriu, neste domingo, em Luanda, que a situação das diásporas africanas seja discutida na próxima Bienal da Paz, prevista para decorrer em Angola, no ano de 2020.

  • 22/09/2019 18:38:20

    Sindicalista defende separação da mídia com poder político

    Luanda - O secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas de Angola (SJA), Teixeira Cândido, advogou hoje, domingo, a separação da mídia e do poder político, como forma de tornar a comunicação social mais forte, apartidária e plural.

  • 22/09/2019 14:45:43

    Trabalhador da empresa Zambiami morre devido às queimaduras

    Luanda - Um trabalhador angolano da empresa de construção civil chinesa Zambiami, em Cabinda, atingido, no sábado, pela explosão de uma caldeira, morreu duas horas depois da chegada à clínica Girassol, em Luanda.