Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

19 Novembro de 2019 | 18h04 - Actualizado em 19 Novembro de 2019 | 18h05

Sociedade Tomás e Filhos recusa abandonar gestão da Estufa-fria

Huambo - Depois de as autoridades da província do Huambo terem revogado os contratos de exploração e gestão da Estufa-fria, em despacho datado de 14 de Novembro, da governadora Joana Lina, a Sociedade Tomás e Filhos recusa-se abonador a gestão do local, por achar que a medida tomada pelo Governo está eivada de incoerência.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Lagoa da Estufa Fria.

Foto: Rosario dos Santos

A decisão foi divulgada hoje, terça-feira, à imprensa, pelo porta-voz desta sociedade, António Chico da Silva, realçando que o contrato de exploração da Estufa-fria e a empresa Tomás e Filhos foi celebrado em 1999, com investimento até 2007 na ordem dos 650 milhões de dólares norte-americanos.

António Chico da Silva informou que, desde 2006, a empresa não realiza grandes trabalhos neste local, considerado pulmão da cidade do Huambo, capital da província com o mesmo nome, por ser altura em que deixou de haver diálogo com as autoridades, que, por sua vez, não respondiam as suas cartas.

 “Enviamos várias cartas ao Governo da província do Huambo e nunca fomos respondidos e, infelizmente, desta vez, recebemos um comunicado cheio de incoerência a determinar o fim do contrato de exploração e gestão. Por isso, nós não vamos sair deste local por causa de interesses obscuros, depois de investirmos o nosso dinheiro e a nossa força”, rematou.

O responsável disse que, entre 1999 até 2016, a Sociedade Tomás e Filhos realizou trabalhos de colocação do sistema de iluminação pública, jardinagem, criação de arruamentos para pedestres e viaturas, abertura e limpeza das fossas e esgotos, colocação de tubos para o encaminhamento de águas, além do saneamento básico, de forma profunda, no leito da lagoa.

Comunicado do Governo

Em virtude da caducidade e incumprimento do contrato de exploração da Estufa-Fria, celebrado em 1999, entre as autoridades locais e a Sociedade Tomás e Filhos, e cujos efeitos cessaram a 31 de Dezembro de 2009, esta entidade foi orientada a desocupar o referido espaço, num período de dez dias.

No mesmo despacho, o Governo da província do Huambo revogou igualmente o contrato de gestão da Estufa-Fria e serviços adstritos com a empresa Planurb, uma vez que a sua celebração não observou os procedimentos concursais estabelecidos pela Lei de Contratação Pública.

No documento, assinado pela governadora Joana Lina, pode lê-se que a decisão teve ainda  em conta a importância da mesma para os citadinos, e não só, bem como a urgência da necessidade de se dar um tratamento mais eficaz e eficiente que garanta a satisfação do interesse público. 

No mesmo, orienta ainda o departamento de Contratação Pública do Governo provincial a criar as condições necessárias, no mais curto espaço de tempo, para a realização do Concurso Público de Gestão da Estufa-Fria e perímetro adstrito.

Breve historial da Estufa-Fria

Com uma área estimada em 43 hectares, a estufa-fria existe desde 1907 a 1909, tendo sido criada como granja agrícola para experimentação de plantas florestais e alimentares, além de servir de reeducação dos presos, tendo dado origem, alguns anos depois, ao surgimento da estação experimental do Sacahála e do Instituto de Investigação Agronómica, na Chianga.

Trata-se de um local público de múltiplas finalidades e representa um verdadeiro manancial de oportunidades por explorar, sobretudo no âmbito do ensino, investigação e geração de receitas para o Estado, pois que é considerada um dos postais da cidade do Huambo.

Assuntos Província » Huambo  

Leia também
  • 18/11/2019 16:10:08

    Clarificados mais de 11 biliões de metros quadrados

    Chicala-Cholohanga - Onze biliões, 567 milhões, 734 mil e 420 metros quadrados de superfície de terra, onde se suspeitava haver minas e engenhos explosivos não detonados, foram verificados e desminados, nos últimos anos, em todo território nacional, em trabalho desenvolvido pelo Instituto Nacional de Desminagem (INAD) e outros parceiros.

  • 17/11/2019 15:00:23

    Mortes por acidentes de viação reduzem em 30 por cento no Huambo

    Huambo - Apesar de ainda ser bastante preocupante, o número de mortes por acidentes de viação nas estradas da província do Huambo conheceu, este ano, uma redução na ordem de 30 por cento, em relação a 2018.

  • 15/11/2019 22:00:31

    Novo rei do Sambo defende maior unidade dos reinos da região

    Huambo - O novo rei do Sambo, José Maria Dumbo "Alemba", escolhido por linhagem familiar, na sequência da destituição Lourenço Kañgoma "Tumbulula", acusado de má conduta, foi entronizado esta sexta-feira, no cargo, em acto tradicional decorrido na Ombala dos Vassambos.