Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

10 Março de 2020 | 14h55 - Actualizado em 10 Março de 2020 | 14h58

Ordem intensifica acções no combate ao exercício ilegal da enfermagem

Huambo - A Ordem dos Enfermeiros de Angola está a apostar, desde o início do ano, na formação de técnicos para a avaliação dos serviços prestados por estes nas unidades sanitárias, conforme as exigências deontológicas da carreira.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Este facto foi tornado público esta segunda-feira, no Huambo, pelo bastonário da Ordem dos Enfermeiros de Angola, Paulo Luvualo, durante um ciclo formativo sobre técnicas de focalização em enfermagem, que decorre no centro materno infantil “ Agostinho Neto”.

Paulo Luvualo referiu que pretende-se combater o exercício ilegal da profissão e impedir a formação de profissionais, sem qualidade, nas distintas unidades escolares existentes, muitas das quais com falta de equipamentos de laboratórios fundamentais para a profissionalização.

Sem avançar dados estatísticos, referiu que a Ordem deu início, em todo país, ao levantamento do número de técnicos de enfermagem em condições ilegais, acrescentando que, quando forem detectadas situações do género, serão aplicados multas para corrigir esta conduta.

Disse ainda que, após a formação, os fiscais vão intensificar as acções de controlo dos técnicos de enfermagem sem a titularidade da cardeira profissional, a reverificação dos currículos das escolas de formação, o sistema de biossegurança da classe, o critério técnico e as normas de educação deste colectivo de trabalhadores distribuídos pelas distintas unidades sanitárias.

No entanto, salientou que o processo não visa somente aspectos punitivos, mas também no domínio da educação dos quadros para garantir uma assistência com segurança, bem como a aplicação dos serviços mais humanizados.

“Vamos trabalhar para garantir qualidade profissional a nível das unidades sanitárias no país. É necessário regular as normas porque está a prejudicar a classe, colocando em causa a sua idoneidade e a vida da pessoa humana”, frisou.

Durante a acção formativa, os participantes discutiram temáticas sobre os métodos de fiscalização, o regulamento de multas, código de ética, gestão hospitalar e carreira de enfermagem.

Em Angola estão cadastrados na Ordem dos Enfermeiros 41 mil profissionais.

Assuntos Província » Huambo  

Leia também