Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

17 Agosto de 2019 | 14h54 - Actualizado em 17 Agosto de 2019 | 15h44

Novo Presidente da SADC destaca estabilidade na região

Dar es Salaan (Dos enviados especiais) - O novo Presidente em exercício da SADC, John Pombe Joseph Magufuli, destacou neste sábado, em Dar es Salaam, que a paz, segurança e estabilidade, feitos alcançados pelos países membros da organização, são frutos dos esforços e empenho dos seus líderes.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeiras de países membro da SADC

Foto: Henri Celso

John Magufuli, também Presidente da República Unida da Tanzânia, desde 2015, falava na cerimónia de abertura da 39ª Cimeira Ordinária de Chefes de Estado e de Governo da SADC, em que Angola se faz representar pelo Presidente da República, João Lourenço.

O novo líder da SADC, que recebeu hoje do seu homólogo da Namíbia, Hage Geingob, a presidência rotativa de um ano do bloco regional, fundamentou que a paz e a segurança são as bases para implementação de programas políticos, económicos e sociais, tendo em vista o desenvolvimento dos povos da região.

Falou, de forma generalizada, dos desafios, objectivos e perspectivas para a região, embora tenha reconhecido a existência de alguns conflitos ainda latentes em alguns países, tendo por este facto, apelando à união e esforços dos intervenientes na busca de soluções pacíficas, com vista a manutenção da paz e estabilidade.

“Temos também a situação do terrorismo, o crime organizado, seca e fome que afligem ainda a nossa região. Por isso temos que continuar a trabalhar juntos, para fazer face a estes desafios”, afirmou o Chefe de Estado tanzaniano.

Por sua vez, o presidente cessante da SADC, o Chefe de Estado namibiano, Hage Geingob, que também discursou na cerimónia, manifestou a sua satisfação pelo contínuo processo da consolidação dos princípios democráticos, factor que propicia uma governação efectiva, tendo citado o caso do Malawi, RDC, Madagascar e Zimbábue, países que recentemente realizaram eleições livres.

Hage Geingob destacou também os progressos alcançados pela organização, com particular realce à integração regional, a industrialização e o desenvolvimento sustentável, com vista o combate à fome, pobreza e à miséria.

Na mesma cerimónia, a secretária executiva da SADC, Stergomena Lawrence Tax,  defendeu a necessidade dos estados membros diversificarem as fontes energéticas. “A energia é fundamental para industrialização da região”, afirmou.

“Devemos aumentar a produtividade, dar mais espaços e propriedade política ao sector privado, particularmente às pequenas e médias empresas, prestar atenção à igualdade do género e reforçar as capacidades da juventude”, sublinhou.

Durante a sessão, discursaram também os presidentes da União das Comores, Azali Assoumani, na qualidade de novo membro da SADC, do Madagascar, Andry Nirima Rajoelina e da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi, dois países que realizaram eleições recentemente.

Esses líderes participam pela primeira vez na Cimeira.

Com a presença de 16 Chefes de Estado ou de Governo, que integram  os dos países da organização regional, a Cimeira vai discutir até domingo (18) questões de interesse político, económico e social, com destaque para a implementação da estratégia e roteiro para a industrialização da região no período 2015-2063.

A estratégia de industrialização da SADC, adoptada em Abril de 2015, visa alcançar uma economia mais avançada e a transformação tecnológica a nível nacional e regional que permita acelerar o crescimento através do desenvolvimento industrial.

A SADC enfrenta vários desafios, entre os quais a integração económica num espaço regional de mais de 200 milhões de habitantes.

Durante a Cimeira, devem ser aprovados três programas de suporte a implementação do lema do encontro, nomeadamente o Apoio para a Melhoria do Ambiente de Investimento e de Negócios (SIBE), Apoio a Industrialização e aos Sectores Produtivos (SIPS) e o Programa de Facilitação do Comércio.

A SADC, sucessora da SADCC, foi constituída em 1992, para promover a cooperação e integração socioeconómicas, e intensificar a cooperação nas áreas política e de segurança entre os Estados.

Angola, África do Sul, Botswana, Republica Democrática do Congo (RDC), Comores, E-swatini (antiga Swazilândia), Lesotho, Madagascar, Malawi, Maurícias, Moçambique, Namíbia, Seychelles, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabwe, integram o bloco regional.


 


 

Assuntos SADC  

Leia também
  • 17/08/2019 08:31:22

    Cimeira da SADC já decorre na Tanzânia

    Dar es Salaan (Dos enviados especiais) - A sessão de abertura da 39ª Cimeira Ordinária de Chefes de Estado e de Governo da SADC, em que Angola está representada pelo Presidente da República, João Lourenço, iniciou neste sábado, em Dar es Salaan, capital tanzaniana.

  • 17/08/2019 03:05:38

    Presidente da SADC aponta avanços políticos

    Luanda - O presidente em exercício da SADC, o Chefe de Estado da Namíbia, Hage Geingob, declarou, neste sábado, que uma das realizações mais assinaláveis dos 27 anos de existência do bloco económico regional foi a consolidação da democracia nos Estados membros.

  • 27/03/2019 20:00:04

    Vice-presidente da República já no país

    Luanda - O Vice-presidente da República, Bornito de Sousa, regressou na noite desta quarta-feira a Luanda, proveniente de Pretória (Áfricado Sul), onde participou na cimeira extraordinária da SADC, em solidariedade à República Árabe Saharaui Democrática (RASD).