Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

04 Agosto de 2020 | 17h14 - Actualizado em 20 Agosto de 2020 | 12h05

Álvaro Macieira expõe no Camões

Luanda - Uma exposição individual intitulada "Síntese- Um Artista, Múltiplas Linguagens", de autoria do angolano Álvaro Macieira, está aberta ao público, no Camões - Centro Cultural Português, até Setembro do ano em curso.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Artista plástico angolano, Álvaro Macieira expõe no Camões

Foto: Gaspar dos Santos

Artista Plástico angolano, Álvaro Macieira expõe no Camões

Foto: Gaspar dos Santos

A exposição é composta por 40 obras, algumas expostas pela primeira vez, onde os temas da liberdade, da mulher, da natureza e das interseções humanas se encontram bem patentes.

Nessa exposição Álvaro Macieira apresenta obras em acrílico sobre tela e mostra as mais variadas técnicas que foi utilizando ao longo das últimas duas décadas de carreira, compondo uma síntese que demonstra bem a linguagem pictórica desenvolvida pelo autor.

Por questões de biossegurança, o modelo de apresentação da exposição definido pelo Camões – Centro Cultural Português segue regras adaptadas ao momento presente. A utilização das redes sociais, com a exploração de conteúdos audiovisuais sobre a exposição, será uma constante.

As visitas presenciais estão limitadas a cinco pessoas por hora.

Para o director do Centro Cultural Português, Telmo Gonçalves, “Sínteses – Um Artista, Múltiplas Linguagens” dá a conhecer a diversidade estética que marca o percurso artístico do autor. Do abstracionismo mais surrealista, ao figurativo mais simbólico. Da linguagem gestualista da action painting, à mais pura representação pictórica do simbolismo africano.

“Generosidade e superação, palavras que nos surgem a qualificar a atitude do artista que, juntamente com o Camões – CCP, decidiu abraçar o desafio de organizar uma exposição para existir, sobretudo, no éter das redes sociais e em tempos de “distanciamento social”, reforçou o responsável.

Conforme Telmo Gonçalves, oferecer, neste momento, esta exposição de Álvaro Macieira é também um gesto de resistência. “É dizer que não nos deixamos vencer, por visíveis ou invisíveis. Não deixamos de procurar a beleza na vida de todos os dias. E acreditamos na arte para nos mostrar a vida além de nós, além do nosso presente”, asseverou.

Já do ponto de vista do embaixador de Portugal em Angola, Pedro Pessoa e Costa, o centro abre uma nova realidade que obriga a alterar a forma de se comunicar, assumindo o seu papel de espaço aberto a pontes e ao diálogo entre mundos de cultura.

“Um espaço que, cada vez mais, irá apostar neste diálogo entre artistas, culturas, num diálogo constante entre as indústrias culturais e criativas de Portugal e Angola”, frisou o diplomata.

Para o diplomata, as indústrias culturais e criativas devem ser tomadas a sério, tal como sucede com a conservação do património cultural, por serem factores de crescimento, desenvolvimento, retorno económico e de inclusão.

Com a exposição de Álvaro Macieira, o camões volta a abrir às suas portas, cinco meses depois do seu encerramento forçado pela pandemia da Covid-19, aos criadores e ao público angolano.

Álvaro Macieira é jornalista, escritor, artista plástico e consultor cultural. Nasceu a 13 de Maio de 1958, na vila de Sanza Pombo, na província do Uíge.

Como jornalista, foi Editor de Cultura na Angop – Agência Angola Press, onde começou em 1983. Colaborou para a Rádio Nacional de Angola, Televisão Pública de Angola e Tribuna Cultural da BBC – Londres, em Língua Portuguesa, a partir de Luanda.

Durante mais de 20 anos, dedicou-se à investigação dos vários aspectos da vida cultural angolana, percorrendo o país e tomando contacto com a realidade nacional, consolidando os conhecimentos que lhe vêm da sua vivência rural e do privilégio de ter viajado desde muito jovem pelas inúmeras regiões de Angola.

O paradigma da sua inspiração pictórica é composto pela poesia, a filosofia dos provérbios, os contos, as histórias que ouviu na sua infância rural, o contacto com as artes e as tradições africanas, as viagens, os museus que tem visitado pelo mundo e os lugares e sítios de memória.

Com o pintor alemão Horst Poppe e o angolano Augusto Ferreira fundou, em 2002, o grupo Conexão Cultural (www.conexao-cultural.com).

Em oito anos de intercâmbio e diálogo artístico, ora na Alemanha, ora em Luanda, Álvaro Macieira e o seu colega alemão fizeram várias exposições e pintura juntos (108 obras conjuntas de pequenas e grandes dimensões).

Três das suas obras estiveram expostas no Nord Art 2009, tida como a maior exposição colectiva de artes plásticas do mundo, realizada em Randsburg, norte da Alemanha.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 16/08/2020 20:09:45

    Kanguimbo Ananaz lança "seios e ventres"

    Luanda - "Seios e ventres" é nova obra literária da escritora Kanguimbu Ananaz lançada neste domingo, em Luanda.

  • 16/08/2020 19:18:14

    Rítmica do centro do país marca Live no Kubico

    Luanda - Os músicos Proletário e Bessa Teixeira e o grupo Kumby Lyxya proporcionaram, em tarde de simbiose da rítmica do Planalto Central, três horas de alegria e nostalgia aos amantes da música angolana.

  • 16/08/2020 16:31:28

    Portugal: Comunidade angolana homenageia Burity a Waldemar

    Lisboa - A comunidade angolana residente em Portugal rendeu, sábado, em Lisboa, uma singela homenagem aos músicos Waldemar Bastos e Carlos Burity, ambos falecidos na semana passada.

  • 15/08/2020 17:27:16

    Músico Sebem recebe casa na centralidade do Zango 5

    Luanda - O músico Sebem, um dos grandes promotores do estilo musical Kuduro, recebeu, neste sábado, das mãos da vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, uma moradia da tipologia T3 na Centralidade do Zango 5.