Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

25 Julho de 2019 | 19h12 - Actualizado em 25 Julho de 2019 | 22h59

Posse de membros correspondentes da Academia Angolana de Letras

Lisboa - A académica e docente universitária santomense Inocência Mata tomou posse, esta quinta-feira, 25, em Lisboa, como membro correspondente da Academia Angolana de Letras (AAL) em Portugal.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Lisboa: Momentos da tomada de posse da académica e docente universitária Inocência Mata

Foto: Cedida

A cerimónia, presidida pelo também académico angolano Garcia Bires, antigo embaixador de Angola na China, teve como palco as instalações da Embaixada de Angola em Portugal.

Foi igualmente empossada, nas mesmas funções, a poetisa luso-moçambicana e investigadora científica na área das Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, Ana Mafalda Leite.

Com a posse das duas académicas, fica preenchido o quadro dos quatro membros correspondentes da AAL em Lisboa, depois de, em 24 de Maio último, terem sido investidos nessas funções os docentes universitários Salvato Trigo e Pires Laranjeira.

Membro correspondente de uma academia ou uma associação é um estatuto de prestígio, um reconhecimento da pessoa pelo que tem feito em prol do estudo e promoção do objecto à volta do qual a academia/associação se institui, mas que não reside no local onde está sediada a instituição.

Em declarações à Angop, Inocência Mata diz-se “lisonjeada” pelo “reconhecimento” dos académicos, escritores, linguistas e professores angolanos, na medida em que faz com “gosto” e “sentido de missão” o seu estudo das literaturas africanas.

Com as novas funções, Inocência Mata promete que continuará a fazer com “mais empenho” o que tem feito, designadamente o ensino de  literaturas africanas, e da angolana, particularmente, além da investigação e divulgação dessa temática. 

Da sua actividade, já resultaram vários livros, três dos quais exclusivamente dedicados à literatura angolana, enquanto tem um no prelo, dedicado ao mesmo tema.

Inocência Mata já publicou os livros Literatura Angolana: “Silêncios e Falas de uma Voz Inquieta” (2001) e “Laços de Memória & Outros Ensaios sobre Literatura Angolana” (2006), estes dois esgotadíssimos, e “Ficção e História na Literatura Angolana” (2010/2011) – para além de outras obras em que também aborda a literatura angolana.

Inocência Mata faz questão em publicar as suas obras também em Angola (por exemplo, estas obras são publicadas em Angola e em Portugal).

Natural de São Tomé e Príncipe, também membro da Comissão de Redacção da História da Literatura Angolana, Inocência Mata é especialista em literatura africana e doutorada em Letras pela Universidade de Lisboa, com um pós-doutoramento em Estudos Pós-coloniais pela Universidade de Califórnia, Berkeley.

É membro fundador da União Nacional de Escritores e Artistas de São Tomé e Príncipe (UNEAS), sócia honorária da União de Escritores Angolanos (UEA), membro correspondente da Academia das Ciências de Lisboa - Classe de Letras e da Academia Angolana de Letras.

Em Setembro de 2018, tomou posse como Correspondente da Academia Galega da Língua Portuguesa.

Autora de uma vasta produção literária e científica, tem fortes ligações familiares a Angola, país onde residiu e fez parte dos seus estudos, antes de fixar residência permanente em Portugal, a partir de 1980.

Ana Mafalda Leite nasceu em Portugal, mas viajou para Moçambique, ainda muito nova, onde frequentou a Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo.

Depois de uma estadia prolongada naquele país, regressou a Portugal, onde passou a exercer funções de docente na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

A Academia Angolana de Letras (AAL) tem como foco questões relacionadas com  o estudo e a investigação da literatura angolana, da língua portuguesa, das línguas angolanas, assim como a relação entre elas.

Com o seu estatuto editado no Diário da República n.º57 III Série de 28 de Março de 2016, a associação privada sem fins lucrativos, de carácter cultural e científico, teve como outorgantes constituintes os escritores angolanos Henrique Lopes Guerra, António Botelho de Vasconcelos e Boaventura da Silva Cardoso.

A academia tem como patrono o primeiro Presidente da República de Angola, Agostinho Neto, e admite como membros os fundadores, efectivos e beneméritos, para além de colaboradores com a categoria de correspondentes, estes últimos podendo ter nacionalidade diferente que as dos restantes membros.

Assuntos Cultura  

Leia também
  • 25/07/2019 14:33:35

    Criado roteiro para recepção de turistas

    Luena - Um roteiro para recepção dos 60 turistas que escalam a cidade do Luena, a 26 do mês em curso, foi definido pela Comissão Nacional Multissectorial para a Recepção do Comboio Turístico.

  • 25/07/2019 00:59:39

    IX Bienal da CPLP reforça intercâmbio de jovens criadores

    Luanda - Moda e jóias, escultura, pintura, literatura, música e teatro estão patentes na IX Bienal de Jovens Criadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), um evento que reúne 200 expositores, em Luanda, que buscam pelo reforço dos laços culturais e histórico dos respectivos povos.

  • 24/07/2019 23:28:40

    Executivo de olhos na criatividade dos jovens

    Luanda - O ministro de Estado e chefe da Casa Civil da Presidência da República, Frederico Cardoso, disse nesta quarta-feira, em Luanda ser fundamental continuar a trabalhar no alargamento do leque de exposições de criatividades de jovens para outros domínios da sua actividade empreendedora, visto serem criadores de valor social e passível de geração de renda.