Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

02 Novembro de 2020 | 21h12 - Actualizado em 02 Novembro de 2020 | 21h11

Covid-19: OMS aceita protestos, mas lembra que situação "é muito complicada"

Genebra, Suíça - A Organização Mundial da Saúde (OMS) aceita que as pessoas estejam cansadas da pandemia da covid-19 e protestem contra novas restrições, mas recorda que "a situação é muito complicada" e que as "opões" dos governos "são muito limitadas", noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Logotipo da OMS - Organização Mundial de Saúde

Foto: Divulgação

A posição foi hoje expressa pelo director-executivo do Programa de Emergências Sanitárias da OMS, Michael Ryan, na habitual videoconferência de imprensa da organização, transmitida da sede, em Genebra, na Suíça.

Os protestos contra novas medidas restritivas para conter a pandemia têm subido de tom na Europa, onde as infecções de covid-19 têm aumentando exponencialmente, inclusive em Portugal.

"Podemos reclamar", afirmou Michael Ryan, apelando, no entanto, para que os protestos decorram "sem violência" e "respeitem a lei", cumprindo as normas de segurança sanitária.

O líder da equipa responsável na OMS pelo combate à covid-19 reconheceu que as pessoas "estão cansadas" dos efeitos da pandemia, que tem obrigado a limitações à liberdade, mas lembrou que "a situação é muito complicada" e que "as opções" dos governos, que "têm de proteger" as suas populações, "são muito limitadas".

Michael Ryan frisou, contudo, que "é importante que os governos se dirijam a todos os níveis da sociedade", que tenham "diálogo" com as suas comunidades para que as medidas sejam consensuais.

Assinalando que a pandemia "continua a crescer" na Europa e na América do Norte, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em quarentena em casa, disse que se trata de um "momento crítico para que os líderes actuem".

"Não é demasiado tarde, todos podemos desempenhar um papel importante para acabar com a transmissão [do vírus]", sublinhou, exortando a sociedade em geral a cooperar.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, que não foi testado à covid-19 por não apresentar sintomas, está em quarentena em casa, onde trabalha, uma vez que contactou com uma pessoa infectada (não se sabe se é do seu círculo pessoal ou profissional).

"Encontro-me bem, não tenho sintomas", afirmou. De acordo com o protocolo da OMS, o diretor-geral fará um teste de despistagem à covid-19 apenas quando manifestar sintomas.

A pandemia da covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos e mais de 46,5 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.590 pessoas dos 146.847 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direcção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de Dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China, e que se disseminou rapidamente pelo mundo.

A doença foi confirmada em Portugal em 02 de Março.

Assuntos OMS  

Leia também
  • 19/10/2020 22:01:54

    Covid-19: OMS insiste na importância de quebrar cadeias de transmissão

    Lisboa - Os responsáveis máximos da Organização Mundial da Saúde (OMS) insistiram hoje na importância de os governos quebrarem as cadeias de transmissão da covid-19 e afirmaram-se preocupados com o aumento de casos na Europa e América do Norte, noticiou a Lusa.

  • 16/10/2020 20:28:45

    Covid-19: Dexametasona corticosteroide é a única terapêutica eficaz, diz OMS

    Lisboa - O director-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, considerou hoje que até agora a dexametasona corticosteroide é a única terapêutica comprovada como eficaz contra a covid-19, para doentes com doenças graves, noticiou a Lusa.

  • 10/10/2020 02:31:50

    OMS saúda entrada da China e da Coreia do Sul na COVAX

    Genebra - A Organização Mundial de Saúde (OMS) saudou esta sexta-feira a decisão da China e da Coreia do Sul de se juntarem à rede COVAX, a plataforma internacional que pretende garantir o acesso universal a uma vacina contra a covid-19.