Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

01 Novembro de 2020 | 16h01 - Actualizado em 01 Novembro de 2020 | 22h09

Papa pede negociações sinceras para se conseguir paz em Nagorno-Karabakh

Cidade do Vaticano - O Papa Francisco reiterou hoje a necessidade de os arménios e os azeris negociarem de forma sincera para conseguirem chegar a uma paz duradoura no enclave separatista de Nagorno-Karabakh.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Papa Francisco, líder da Igreja Católica

Foto: Cedida

Depois da oração do Angelus, da janela do palácio apostólico, Francisco criticou que, nesta zona, os “conflitos armados” mantenham sempre “tréguas frágeis” e causem vítimas e danos materiais consideráveis a infraestruturas e locais de culto.

“É trágico”, sublinhou o Papa, enquanto renovava o apelo “a ambas as partes do conflito” para que garantam, quanto antes, o fim do “derramamento de sangue” e se comprometam “numa negociação sincera, com a ajuda da comunidade internacional”, para alcançar “paz estável na região”.

o Papa já tinha, em 11 de Outubro, encorajado arménios e azeris a respeitar o frágil cessar-fogo na área.

O conflito no enclave de Nagorno-Karabakh remonta aos tempos da União Soviética, quando, no final da década de 1980, aquele território do Azerbaijão, povoado principalmente por arménios, solicitou a sua incorporação na vizinha Arménia, deflagrando uma guerra que causou cerca de 30.000 mortes.

No final do conflito, que durou até 1994, as forças arménias assumiram o controlo da região e ocuparam vastos territórios do Azerbaijão, a que chamam “faixa de segurança”.

O Azerbaijão afirma que a solução para o conflito com a Arménia passa necessariamente pela libertação dos territórios ocupados, uma exigência que tem sido apoiada por várias resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

Por seu lado, a Arménia apoia o direito à autodeterminação de Nagorno-Karabakh e defende a participação de representantes do território separatista nas negociações para a resolução do conflito.

De acordo com relatos de organizações internacionais, a recente escalada do conflito em Nagorno-Karabakh já causou mais de 800 mortes, incluindo uma centena de civis.

O Papa Francisco também referiu-se hoje ao terramoto que atingiu a cidade turca de Izmir na sexta-feira, causando pelo menos 51 mortes, e pediu orações pelas famílias das vítimas.

Por fim, e porque hoje se comemora o Dia de Todos os Santos, Francisco disse “juntar-se” a todos aqueles que vão aos cemitérios para lembrar os seus entes queridos, mas pediu respeito pelas medidas de prevenção do contágio da pandemia de covid-19.

Assuntos Internacional   Papa  

Leia também
  • 01/11/2020 22:01:24

    Subiu para 62 o número de vítimas mortais do sismo na costa do mar Egeu

    Ancara - Subiu para 62 o número de mortes e para 940 o número de feridos, vítimas do sismo que abalou a costa turca do mar Egeu, na sexta-feira, de acordo com as autoridades locais.

  • 01/11/2020 21:56:56

    Trump viaja a cinco estados cruciais e Biden visita Pensilvânia a dois dias das eleições

    Washington - O presidente norte-americano, Donald Trump, realiza este domingo uma maratona, com eventos de campanha em cinco estados cruciais para as eleições, enquanto o seu adversário, o democrata Joe Biden, concentrará esforços na Pensilvânia, outro local chave, a dois dias da votação.

  • 01/11/2020 21:16:43

    Covid-19: Síntese Mundial

    Paris - O novo coronavírus infectou mais de 46 milhões de pessoas em todo o mundo desde dezembro de 2019, quando foi diagnosticado o primeiro caso, 1,19 milhões das quais morreram, segundo o balanço diário da agência France Presse (AFP).

  • 01/11/2020 20:46:16

    Covid-19: Novo confinamento no Reino Unido pode durar mais do que um mês

    Londres - O novo confinamento em Inglaterra pode durar mais do que as quatro semanas previstas se as taxas de infecção do novo coronavírus não caírem suficientemente depressa, disse hoje o ministro do Conselho de Ministros britânico, Michael Gove.