Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

23 Setembro de 2019 | 10h15 - Actualizado em 23 Setembro de 2019 | 12h21

Cinco mil milhões de pessoas não terão acesso a cuidados de saúde em 2030

Nova Iorque - Mais de cinco mil milhões de pessoas continuarão a não ter acesso a cuidados de saúde em 2030, se o investimento continuar a ser insuficiente, advertiu a Organização Mundial de Saúde (OMS), noticiou hoje a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Simbolo da OMS

Foto: Divulgação

Num relatório divulgado na véspera do debate, na Assembleia Geral das Nações Unidas, sobre a adopção da Declaração sobre Cobertura Universal de Saúde, a OMS alertou que os países devem aumentar o gasto com a saúde em pelo menos um por cento do Produto Interno Bruto (PIB) para atingir a meta da universalidade até 2030.

A OMS destaca ainda que " a maioria daquelas pessoas são pobres e desfavorecidos".

"Se quisermos mesmo atingir a meta da cobertura universal e da melhoria da vida das pessoas, temos de levar a sério os cuidados de saúde primários", assinala o director geral da organização sediada em Genebra, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

"Isso significa providenciar serviços de saúde essenciais, como vacinação, cuidado pré-natal, conselhos para um estilo de vida saudável, o mais perto das populações possível, garantindo que as pessoas não têm de pagar por tudo isto dos seus próprios bolsos", acrescentou.

Segundo a informação, na próxima década, o mundo tem de duplicar o investimento em saúde, se quiser atingir o objectivo de saúde para todos.

Actualmente, o investimento mundial na saúde ronda os 6,8 mil milhões de euros - aumentá-lo em 5 por cento "pode potencialmente salvar 60 milhões de vidas, aumentar a esperança de vida em 3,7 anos até 2030 e contribuir significativamente para o desenvolvimento socioeconómico".

A maior fatia desse investimento deverá ser garantida pelos próprios Estados, mas a OMS reconhece que isso não será possível nos países menos desenvolvidos, nomeadamente nos que estão em situação de conflito.

Por outro lado, a OMS alerta que a pressão financeira que o gasto com a saúde representa para muitas famílias piorou nos últimos 15 anos.

Cerca de 925 milhões de pessoas gastam mais de 10por cento dos seus salários em cuidados de saúde e outras 200 milhões mais de 25 por cento, referiu a OMS.

"É chocante ver que cada vez mais população a lutar para sobreviver porque está a gastar demasiado com cuidados de saúde, mesmo nas economias avançadas", observou, por seu lado, o secretário-geral da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), Ángel Gurría.

"Os únicos sítios onde isso não está a acontecer são os países que investem mais e mais eficazmente na saúde", frisou.

Na segunda-feira, os líderes mundiais reunidos em Nova Iorque, Estado Unidos, vão discutir a adopção de uma a Cobertura Universal de Saúde.

Assuntos ONU   Saúde  

Leia também
  • 22/09/2019 00:27:45

    ONU: Guterres alerta para um conflito entre pessoas e natureza

    Washington - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse neste sábado, na abertura da Cimeira da Acção Climática para a Juventude que, pela primeira vez na história, existe um "conflito sério entre pessoas e natureza".

  • 19/09/2019 11:49:48

    Morre uma grávida ou recém-nascido a cada 11 segundos, revela ONU

    Dili - O mundo continuou em 2018 a assistir à morte de uma grávida ou um recém-nascido a cada 11 segundos, apesar dos progressos substanciais na saúde materno-infantil em vários países, como em Timor-Leste, revela nesta quinta-feira um estudo de instituições da ONU, noticiou a Lusa.

  • 16/09/2019 09:49:45

    Parlamento de Timor-Leste chumba participação do PR na AG da ONU

    Dili - O Parlamento de Timor-Leste rejeitou nesta segunda-feira a deslocação do Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, à Nova Iorque, EUA, para participar na Assembleia-Geral (AG) da Organização das Nações Unidas, noticiou a Lusa.