Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

19 Novembro de 2019 | 16h00 - Actualizado em 19 Novembro de 2019 | 16h00

PR argentino pronto para definir Executivo após reunir com Kirchner

Buenos Aires - Após reunir com a sua vice, Cristina Kirchner, o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, declara estar próximo de definir o seu Executivo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da Argentina

Foto: Foto divulgação

Nos siga no

Após se reunir com sua vice, Cristina Kirchner, Fernández declara estar próximo de definir seu gabinete. Máximo Kirchner, filho da vice-presidente e membro influente da frente política que governará a Argentina a partir de janeiro, participou da reunião.

De acordo com os assessores do presidente eleito, o encontro com Kirchner tratou das declarações do Papa Francisco sobre o conceito de lawfare, da questão boliviana, além de "assuntos pessoais".

"Cristina é muito respeitosa, não pediu nada e não objetou a nada [...] as definições [das nomeações para o Executivo] passam pelo presidente", declarou uma fonte ligada ao presidente eleito ao jornal Clarín.

O filho da vice-presidente, Máximo Kirchner, compareceu à reunião e está cotado para liderar a bancada da coligação vencedora das últimas eleições no país, a Frente de Todos, na Câmara dos Deputados.

Quando perguntado sobre a indicação de Máximo, o presidente respondeu: "Isso se resolve no Congresso".

O tema militar, o golpe boliviano, o papel do Chile e do Equador e o jogo político com Jair Bolsonaro ganharam centralidade no debate sobre a formação do novo governo argentino, reportou o jornal.

Fernández convocou o deputado Agustín Rossi para o Ministério da Defesa, área que se tornou crítica para o novo governo, considerando o papel das Forças Armadas no recente golpe de Estado na Bolívia. A indicação do deputado contradiz a "regra" imposta pelo futuro presidente de não indicar ex-ministros, sobretudo da era Kirchner, ou membros do legislativo para o seu gabinete.

O presidente eleito estuda a possibilidade de formar um superministério da Economia, que incluiria as secretarias de Produção e Agricultura, mas o remanejamento permanece indefinido, segundo o jornal.

Outros nomes cotados são o de Eduardo "Wado" de Pedro para o Ministério do Interior, Marcela Losardo para a Justiça, Diego Gorgal para a Segurança, Daniel Arroyo para o Desenvolvimento, Ginez González García para a Saúde e Nicolás Trotta para a Educação.

O peronista Alberto Fernández foi eleito presidente da Argentina com 48% dos votos válidos, derrotando o actual presidente do país, Maurício Macri, que obteve 40,5% dos votos. O novo governo toma posse no dia 10 de Dezembro.

Assuntos Política  

Leia também