Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

11 Dezembro de 2019 | 14h13 - Actualizado em 11 Dezembro de 2019 | 14h13

Directora defende escolas inclusivas para estudantes com deficiência

Lubango - A directora do gabinete provincial da Educação da Huíla, Paula Filomena Joaquim, defendeu terça-feira, no Lubango, a criação de escolas inclusivas para facilitar o estudo de pessoas com necessidades educativas especiais.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Huíla: Paula Joaquim - directora da educação

Foto: Morais Silva

O desafio foi lançado quando discursava na abertura do I Congresso Internacional de Educação Inclusiva, realizado sob o lema "Superar a Inclusão Social através de Práticas Pedagógicas Inclusivas e Colaborativas".

Na ocasião, a responsável afirmou que o princípio da escola inclusiva torna-se mais abrangente, dando espaço e igualdade de oportunidades a todas as crianças e jovens com necessidades especais.

Paula Joaquim reforçou que as escolas devem reconhecer e satisfazer as necessidades diversas dos seus educandos, adaptando-se aos vários estilos e ritmos de aprendizagem, de modos a garantir um bom nível de educação para todos, através de currículos adequados.

"As escolas do ensino geral devem inserir mais cada vez mais crianças e alunos que apresentem alguma deficiência", sublinhou.

Paula Joaquim afirmou que pretende-se com esta actividade encontrar, através da colaboração, as melhores soluções para que as escolas, os professores, pais e encarregados de educação e a sociedade em geral possam responder os desafios da inclusão.

Durante dois dias serão abordados temas ligados ao percurso histórico do processo de inclusão escolar na Huíla, perturbações da hiperactividade e défice de atenção, adaptação do conteúdo curricular como prática pedagógica inclusiva (por vídeo conferência), políticas e práticas pedagógicas nas escolas (experiência), práticas pedagógicas inclusivas e a colaboração intersectorial como chave para a inclusão social, serão debatidos durante os quatro dias do evento.

O certame é uma iniciativa do Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED), do Gabinete Provincial da Educação e do Instituto Superior Politécnico Independente (ISPI) e  junta 300 professores do ensino primário, pais e encarregados de educação.

No presente ano lectivo foram identificados dois mil 594 alunos com deficiências físicas e motoras, sendo 83 na iniciação, mil 390 no ensino primário, 818 no I ciclo do ensino secundário e 303 no II ciclo do ensino secundário, nas 196 escolas públicas e privadas existentes na província, inclusive no ensino especial.

Leia também