Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

17 Julho de 2020 | 11h14 - Actualizado em 17 Julho de 2020 | 11h13

Falta de embarcações condiciona pescadores na Catumbela

Lobito - Dez novas embarcações a motor é o que precisam anualmente os mais de mil pescadores artesanais no município da Catumbela, para resolver o problema do desemprego que afecta as comunidades piscatórias naquela circunscrição da província de Benguela.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Embarcações de pesca

Foto: evaristo joaquim

Em declarações à ANGOP, quinta-feira, o representante do Instituto de Desenvolvimento da Pesca Artesanal e da Aquicultura (IPA) na Catumbela, Fernando Domingos, avançou que a pesca por meio de redes de arrasto, vulgo “banda-a-banda”, ainda predomina no município, daí serem necessárias mais embarcações para substituir aquela prática pela arte de malhar.

A fonte prevê, a título de exemplo, que 10 embarcações podem gerar postos de trabalho para mais de 100 pessoas, entre pescadores e processadores do pescado nas comunidades piscatórias da Praia do Bebé, Cachiva, Catumbela Praia e Damba Maria.

Deste modo, reconhece que a falta de apoios condiciona o desenvolvimento da actividade, realçando que a última vez que o governo provincial de Benguela disponibilizou embarcações a motor aos pescadores da comuna da Praia do Bebé (10 chatas)  foi há seis anos.

Considera que as 106 embarcações existentes no município são insuficientes, razão pela qual mais de 200 pescadores ainda utilizam pequenas canoas, conhecidas como bimbas, mas que não oferecem condições de segurança, nem navegabilidade para pesca no mar.

Uma vez que a Catumbela é uma região potencialmente rica nas pescas, o representante do IPA propõe às autoridades a construção de um centro de apoio à pesca artesanal na comuna da Praia do Bebé, para melhorar as condições de processamento, conservação e venda do pescado aos consumidores.

No caso concreto da Praia do Bebé, principal centro piscatório da Catumbela, só no primeiro semestre deste ano (2020) os 256 pescadores artesanais capturaram mais de uma tonelada de pescado, entre sardinha, merma, jamanta, serra, tubarão, tico-tico, camuchile, atum e cavala, número que, segundo a fonte, pode aumentar caso haja mais embarcações.

Das 106 embarcações que asseguram diariamente as capturas de pescado na Catumbela, 56 estão na comuna da Praia do Bebé, 28 na comunidade piscatória da Cachiva (Gama), 15 na Catumbela Praia e sete outras na Damba Maria, na fronteira com o município de Benguela, sede da província.

Assuntos Pesca   Província » Benguela  

Leia também
  • 17/07/2020 11:08:47

    Culango recebe experiência-piloto do Censo Agro-pecuário

    Lobito - A povoação do Culango, no município do Lobito, em Benguela, começa a receber "dentro de pouco tempo" a experiência piloto para a implementação do Recenseamento Agro-Pecuário e Pescas (RAPP), que arranca no país, em Setembro deste ano, soube a ANGOP.

  • 16/07/2020 15:44:22

    Captura de pescado baixa no Lobito

    Lobito - A captura de pescado no primeiro semestre deste ano no município do Lobito, província de Benguela, fixou-se em 99 toneladas, contra mais de 100 do igual período do ano passado, informou hoje a directora local da Agricultura e Pescas, Maria Francisco.

  • 16/07/2020 15:25:05

    BNA apresenta nova família do Kwanza a membros do Minint

    Benguela - O Banco Nacional de Angola (BNA) procedeu hoje, quinta-feira, nesta cidade, a apresentação da nova família do Kwanza "série 2020", que entra em circulação a 30 do corrente, a membros do conselho consultivo da delegação do ministério Interior na província de Benguela.