Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

18 Março de 2020 | 16h49 - Actualizado em 19 Março de 2020 | 13h50

Cidades de Luanda, Soyo e Cabinda estarão ligadas por Catamarã

Luanda - A Secil Marítima poderá lançar, ainda este ano, o serviço de transporte de passageiros, com embarcações do tipo catamarã, na rota Luanda, Soyo e Cabinda, anunciou hoje o seu administrador financeiro, João Martins.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Doca do Kapossoca

Foto: Francisco Miudo

Entrevistado pela Angop, a propósito da extinção da TMA Express, empresa que geria os catamarãs em Luanda, o gestor referiu que o inicio das operações da rota inter provincial está dependente da conclusão do projecto de reabilitação e construção de terminais de passageiros no Soyo e Cabinda.

Enquanto se aguarda pela construção dessas infra-estruturas, disse que a Secil trabalha nos estudos de viabilidades sobre os preços dos bilhetes e os custos operacionais.

Em Luanda, o transporte de passageiros marítimos por catamarãs foi lançado em 2014, sob gestão da extinta TMA Express, no âmbito do programa de integração e complementaridade das todas as modalidades de transportes: aéreo, rodoviário, ferroviário e marítimo.

A ideia era minimizar os constrangimentos dos cidadãos residentes no Kilamba e Benfica a chegar mais rápido ao centro da cidade, na rota Capossoca/Porto de Luanda, para evitar os habituais transtornos no trânsito caótico da cidade.

Esclareceu que em função da extinção TMA Express, a Secil herdou os activos e passivos, daí estarem a pagar os salários em atraso de 2018, 2019 e outras dívidas, bem como empregar alguns dos funcionários, em função das especificidades técnicas (pilotos, capitãs e contramestres).

Com base em dados históricos da extinta TMA, a que a Angop teve acesso, deixou um activo de quatro Catamarãs, nomeadamente, o Luanda, Cacuaco, Panguila, Macocô. O Cat-Angola I naufragou em 2019.

De acordo com os relatórios, a empresa transportou até 21 de Setembro de 2018, pelo menos 1,09 milhões de passageiros desde que começou a circular em 2014, ao preço de 250 kwanzas cada bilhete.

Em 2014, o número de passageiros foi de 252 mil e 318 e no ano seguinte, isto é, em 2015, o número subiu para 315 mil e 613. Mas, de 2015 até 2017 o número de passageiros registou uma queda vertiginosa.

A empresa contabilizou 286 mil e 662 passageiros em 2016 mas este número caiu para 153 mil e 91 em 2017, uma queda de 53,4%.

Em Outubro de 2018, ao preço médio de AKz 250 o bilhete de passagem, a TMA Express registou um prejuízo de AKz 33,3 milhões.

A empresa encerrou o ano de 2016 com uma facturação de 71,6 milhões AKz (434,3 mil USD ao câmbio fixo de AKz 165) e caiu para AKz 38,2 milhões (231 mil USD) em Dezembro de 2017.

A tendência de queda começou a registar-se em 2015, um ano após da entrada em circulação dos catamarãs. No ano seguinte, isto é, em 2016, este número começou a cair e mantém a tendência de queda até a paralisação completa em finais de 2018.

Até 21 de Setembro de 2018, os catamarãs transportaram apenas 85 mil e 669 passageiros, ou seja, 55% do número de passageiros registados 2017.

A tendência de queda observou-se também no número de viagens efectuadas pelos catamarãs, que passou de 6.058 em 2016 para 5.420 viagens em 2017.

Até 21 de Setembro de 2018 os catamarãs tinham efectuado apenas metade das viagens realizadas em 2017.

Contudo, desde 2014 os catamarãs realizaram 20 mil e 775 viagens de ida e volta do Museu da Escravatura ao Porto de Luanda, passando pelo Capossoca e vice-versa.

Assuntos Transporte  

Leia também
  • 09/03/2020 16:42:52

    CFM reabre troço Lubango/Menongue

    Lubango - O troço Lubango/Menongue por linha férrea foi reaberto hoje depois da interdição a 28 de Dezembro de 2019, resultante do rompimento da passagem hidráulica no ramal do Caminho de Ferro de Moçâmedes (CFM), na localidade de Olivença, município da Chibia, na Huíla, arrastado pela chuva.

  • 28/02/2020 12:48:37

    Transportes prioriza reestruturação de empresas

    Luanda - O ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, apontou hoje, em Luanda, como prioridade do seu sector para os próximos tempos a reestruturação e modernização do sistema de transportes e logística.

  • 21/02/2020 11:07:02

    Lubango ganha este ano novos automotores ferroviários

    Lubango - O município do Lubango, através do Caminho de Ferro de Moçâmedes (CFM), vai ganhar ainda neste trimestre duas Unidades Multiplas Diesel (DMU) automotoras, para o transporte urbano e interurbano de passagueiros, que poderá aumentar de 47 mil utentes/mês para mais de 200 mil.