Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

20 Setembro de 2019 | 15h29 - Actualizado em 20 Setembro de 2019 | 16h25

Sonangol vai desinvestir em 19 activos no estrangeiro

Luanda - A Sonangol vai desinvestir em 19, de um total de 50 empresas participadas e activos, ligados aos sectores imobiliário, recursos minerais e petróleo, finanças, viagens e turismo, espalhados em diversos países.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Sede da Sonangol

Foto: Pedro Parente

Da lista ainda sem preços de referência apresentada esta sexta-feira,no Seminário Metodológico sobre o Programa de Privatizações, promovido pelo Executivo, constam empresas do sector  imobiliário situadas  em Portugal, como  o Puaça S.A (edifício da Av. República), o Diraniproject  III e Diraniproject V, cujo anúncio das vendas  está agendado para este ano, a partrir de Outubro.

Ainda para este ano, em Portugal, a Sonangol vai vender participações  na  empresa  de viagens e turismo, Atlântida  Viagens  e Turismo,  enquanto no sector dos  petróleos  serão alienadas acções  da Sonafurt Internacional Shipping e  na  Sonacergy-  Serviços  e  Construções  Petrolíferas.

A Sonangol  vai desinvestir  também nas participações  feitas  na  empresa  Founton Lda (Gibraltar),  Solo Properties  Nightbridge (Reino Unido),  ambas do ramo  imobiliário.

A lista  apresenta pela administradora  executiva da Sonangol,  Josina  Baião,  descreve  ainda  para o sector  dos recursos  mineiras e petróleo  desinvestimentos  nas  empresas  Sonatide Marine (Ilhas  Caimão),  na Societé  Ivoirienne de Raffinage (Costa  do Marfim) , na  OPS   serviços de produção petrolífera,  Sonansing  Mondo, Sonansing Saxi Batuque, Sonasing Xikomba, OPS Prodution,  todos localizados nas ilhas Bermudas.

Para  2020, ainda  no sector dos recursos  minerais e petróleos,  a Sonangol  vai alienar  os activos das participações feitas nas empresas  Puma  Energy  Holdings ( Singapura), na  Sonandiets  Services (Pamana)  e combustíveis  e óleos (S.Tomé), esta última para 2021.

Nos  Estados  Unidos  da América, a Sonangol  vai vender  a participação feita na  empresa  WTA- Houston  Express e  na França na WTA S.A, as  duas do  ramo  do turismo e viagens.

Já no sector  financeiro consta na lista  desinvestimentos  nas empresas  participadas  e activos  da  Sonangol Cabo Verde-Sociedade  de Investimentos, na  China  Sonangol Internacional Holding (Hong Kong).

Outras  participações  e  activos  estão detidas  em empresas  angolanas no ramo da  banca,   telecomunicações,  saúde, educação,  construção  civil,  transporte,  turismo, energia,  recursos  mineiras  e petroleos.

Para  este o ano, a Sonangol  vai arrancar com  20  empresas,  26 para  2020, três, em  2021  e  uma alienação em 2022.

Um dos passos  a dar, será a avaliação  financeira dos  activos,  a  contratação de  consultoria e  assessoria  financeira.

A  partir de  finais de Outubro  começa os  roadshows  nacionais e  internacionais,  período  previsto  também para a realização dos primeiros  anúncios de venda de  activos.

Assuntos Privatizações  

Leia também
  • 18/09/2019 12:54:16

    Programa de privatizações reúne potenciais investidores

    Luanda - A Comissão Nacional Interministerial para a Implementação do Programa de Privatizações (Propriv) reúne, de 19 a 20 deste mês, em Luanda, potenciais investidores para um seminário metodológico sobre a alienação de activos do Estado.

  • 19/08/2019 20:12:56

    Sucesso de privatizações depende de transparência- investigador

    Luanda - O sucesso do Programa de Privatização (PROPRIV), que prevê alienar, parcial e totalmente, 195 empresas públicas até 2022, depende da transparência no processo de negociação entre o Estado e as entidades interessadas na compra das respectivas propriedades.

  • 19/06/2019 15:44:42

    Estado pode arrecadar USD 110 milhões com privatização de fazendas

    Luanda - O Estado angolano poderá arrecadar cerca de USD 110 milhões com a privatização via concurso público, aberto a 16 de Junho deste ano, de quatro fazendas localizadas nas diferentes províncias do país com uma área total de 42 mil hectares.