Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

19 Junho de 2019 | 00h19 - Actualizado em 19 Junho de 2019 | 00h19

Bancos centrais vão ser menos interventivos

Luanda - Com a criação de moedas digitais criptografadas os bancos centrais desta era vão ter menos intervenção nas transações financeiras e correm o risco de desaparecer dentro de 15 anos, indicou hoje o consultor internacional em governação eletrônica, Jorge Lopes.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

As referidas moedas, também denominadas criptomoedas, são códigos complicados de serem desvendados.

O termo criptografia surgiu da fusão das palavras gregas Kryptós e gráphein (em grego: kryptós, "escondido", e gráphein, "escrita").

À margem de uma apresentação sob o tema “ digitalização, transformando a economia e a sociedade” no Fórum Angotic 2019, o consultor internacional afirmou que com a criptomoeda haverá todas as garantais de segurança, mais transacções e o controlo será mais automatizado.

Jorge Lopes argumentou que os actuais bancos centrais não serão os do futuro. “No futuro os bancos centrais serão adaptados à realidade das novas moedas e formas de pagamento. Estas entidades, com o perfil que têm hoje, daqui há 15 anos deixarão de existir”.

A utilização da criptomoeda, na óptica do especialista, é irreversível, embora haja algum espanto e resistência, realçando que vai levar certo tempo para sua implementação e aceitação, mas nada a impedirá.

“Ainda estamos numa fase inicial e há muito trabalho pela frente, mas elas (criptomoedas) são irreversíveis. Pode levar algum tempo mas não podemos fazer nada”, concluiu.

Na palestra sobre “ Digitalização, transformando a economia e a sociedade”, o director geral do Smart Africa,  Lacina Koné, um dos oradores, afirmou que os bancos vão desaparecer ou adaptar-se devido à moeda encriptada.

“A moeda encriptada está no seu caminho e visa poupar tempo e garantir segurança”, afirmou o gestor da organização africana ligada às tecnologias, que integra 25 países do continente.

Nesta segunda edição do “Fórum Angotic 2019”  participam 138 oradores nacionais e internacionais, que vão ministrar 53 temas.

Conta-se, no presente fórum, que vai decorrer até 20 de Junho, com a participação de instituições internacionais do domínio das tecnologias de informação e comunicação, como a “Air Bus, Facebook e Intelsat.

Assuntos Moeda  

Leia também
  • 06/06/2019 17:29:33

    Delegação americana vem a Luanda para avaliar regresso dos dólares

    Luanda - Uma delegação de alto nível da Reserva Federal (Fed) dos Estados Unidos da América vem este mês a Luanda, para abordar com o governador do Banco Nacional de Angola (BNA) assuntos relativos à recuperação da moeda norte-americana nas operações bancárias.

  • 29/05/2019 18:33:02

    Kwanza atinge depreciação de 50% face ao euro e dólar

    Luanda - O Kwanza voltou a atingir um mínimo histórico em relação ao Euro e à moeda americana e já acumula perda do seu valor, pela primeira vez, de 50 por cento, desde que Banco Nacional de Angola (BNA) decidiu pôr fim ao regime de câmbio fixo, a 09 de Janeiro de 2018.

  • 28/06/2018 13:26:46

    Conversão monetária deve ter em conta estabilidade do câmbio

    Luanda - A única forma de Angola cautelar no futuro o sucesso de um novo acordo de conversão monetária é buscar internamente a convergência entre o câmbio informal com o formal, declarou hoje o economista Precioso Domingos, a propósito da liquidação pelo BNA da dívida que contraiu ao banco namibiano em 2015.