Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

11 Dezembro de 2019 | 20h49 - Actualizado em 12 Dezembro de 2019 | 09h08

Vera Daves assegura disponibilidade de verbas para PIIM

Menongue - Cerca de 100 milhões de dólares norte-americanos, dos mil milhões já disponibilizados pelo Fundo Soberano ao Banco Central, encontram-se no Tesouro Nacional para a execução do Plano de Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), revelou hoje, quarta-feira, no Cuando Cubango, a ministra das Finanças, Vera Daves.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministra das Finanças, Vera Daves

Foto: Gaspar dos Santos

Em declarações à imprensa, no final de uma visita de algumas horas a Menongue, a primeira a uma província desde que foi nomeada ao cargo, a ministra informou que, dos dois mil milhões subtraídos do Fundo Soberano, mil milhões já se encontram no Banco Central, que já transferiu para o Tesouro Nacional 100 milhões de dólares, na medida das realizações dos projectos de impacto social.

De acordo com a titular das Finanças, à medida que se vai agrupando um número significativo de facturas, serão transferidos mais 100 milhões e, assim, sucessivamente até completar os mil milhões, para, depois, se seguir o processo com a outra parte do valor total, com rigor de execução definido.

Explicou que o processo para os projectos do PIIM naquela província segue os seus trâmites normais, tendo referido que as equipas do Ministério têm apoiado o Governo da Província do Cuando Cubango e os municipios na preparação das peças necessárias para o lançamento dos concursos públicos e muitos deles já estão praticamente prontos e os concursos vão ser lançados alguns em Janeiro de 2020.

Outros, prosseguiu a ministra, estão a ser reequacionados pelo Governo da Província, em função da prioridade, do impacto social e, provavelmente, serão encaminhados ao Ministério das Finanças e ao Ministério da Administração do Território e Reforma do Estado, com uma proposta de remanejamento, aguardando assim que suceda.

Garantiu que, com a flexibilidade necessária, o Ministério das Finanças e o da Administração do Território vão alinhar-se àquelas que são as expectativas, à visão do Governo Provincial e das administrações municipais, para assegurar que, no final, o benefício social das populações seja efectivamente sentido.

Obras paradas

Devido a obras paralisadas, a governante disse que a equipa do Ministério das Finanças vai trabalhar com a do Governo do Cuando Cubango para um diagnóstico da situação real dos projectos em causa, no sentido de aferir a razão dos desníveis entre a execução física e a financeira.

“Estamos aqui com o compromisso de fazer um trabalho conjunto, descobrir se todas as regras de execução foram cumpridas e, se foram cumpridas, será feito um esforço para os desníveis entre a execução física e a financeira”, assegurou.

OGE 2020

Em relação ao Orçamento Geral do Estado para 2020, a ser aprovado, esta quinta-feira, na Assembleia Nacional, Vera Daves considerou ser o possível, porque há uma necessidade de adaptação às condições que a Tesouraria Nacional tem e, definitivamente, aprender cada vez mais a viver dentro das possibilidades.

Para a ministra, a realidade actual impõe uma mudança de mentalidade, humildade, foco no que é prioritário, amor ao próximo, pensar nos angolanos e naquilo de que precisam, pois muitas vezes não custa assim tão caro.

“Por isso, esperamos que todos os deputados votem favoravelmente a este OGE que reflecte o compromisso do Executivo com aquilo que é possível fazer para o bem-estar das populações".

Bancos correspondentes na província

A questão da existência do correspondente bancário no Cuando Cubango, em função de muitos municípios não possuírem bancos estatais (BPC) e outros comerciais,realçou que se está engajando na mudança deste paradigma.

A propósito, reconheceu que existem muitas instituições bancárias privadas com balanços interessantes e plena capacidade para corresponder aos apelos da extensão dos seus serviços para correspondentes bancários nos municípios do interior, visando facilitar as acções das administrações municipais na prestação de serviços.

Para a governante, o que o Estado deve fazer é a criação de condições de infra-estruturas, comunicações, para que os privados se sintam prontos para prestar tais serviços, dado que o diálogo para o efeito, a nível local, já tem sido feito pelo Governo da Província.

A ministra e a delegação que encabeça já regressou à capital, Luanda, depois de um trabalho intenso com as autoridades governamentais do Cuando Cubango.

    

Leia também
  • 12/12/2019 10:40:16

    Júlio Bessa quer devolução de dinheiros desviados

    Menongue - O governador do Cuando Cubango, Júlio Bessa, pediu nessa quarta-feira à ministra das Finanças, Vera Daves, a fim de fazer diligências para a devolução do dinheiro desviados por alguns gestores públicos, que serviriam para desenvolver projectos na província.

  • 11/12/2019 20:24:49

    Multicaixa expresso realiza operações fora do pais

    Nairobi - O aplicativo Multicaixa Expresso, instalado nos telemóveis, permite fazer operações fora do país, beneficiando quem estiver em Angola - constatou hoje a Angop em Nairobi, Quénia.

  • 11/12/2019 20:12:20

    Estudo apresenta potencialidades e desafios do café

    Luanda - Um estudo sobre o sector do café em Angola indicou que o seu subdesenvolvimento tem a ver com o baixo nível de mecanização da produção, idade avançada das plantações e deficientes infra-estruturas de processamento pós-colheita.