Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

19 Novembro de 2019 | 16h25 - Actualizado em 19 Novembro de 2019 | 18h48

Programa de Estabilização com saldo orçamental positivo

Luanda - Angola registou, pela primeira vez em quatro anos, um saldo orçamental positivo de 2,2 por cento do Produto Interno Bruto em 2018, fruto do Programa de Estabilização Macroeconómica implementado desde Janeiro do ano transacto, informou esta terça-feira o ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel José Nunes Júnior

Foto: Pedro Parente

Ao apresentar no parlamento a mensagem do Presidente da República sobre as perspectivas macroeconómica do OGE2020, Manuel Nunes Júnior informou que os dados preliminares apontam para um saldo orçamental igualmente positivo de 1,3 por cento no primeiro semestre de 2019.

O orçamento proposto para 2020 prevê também um superávit orçamental de 1,2 por cento do PIB. Segundo O governante a saída de uma situação orçamental deficitária para superavitária é de um situação enorme, pois, tal significa que o país terá menores necessidade de endividamento e pode se escapar de um autêntica armadilhas de dívidas.

Adiantou que este factor tem também implicações positivas no que respeita à diminuição das taxas de juro, pois quanto maior for o endividamento e as necessidades de financiamento do país, maiores são as taxas de juros exigidas pelo mercado.

Recordou que a crise económica e financeira iniciada em 2014 teve como consequências a redução drástica das receitas do Estado, e a despesa não reduziu na mesma proporção da receita, o que resultou numa acumulação de déficit orçamentários.

Lembrou que em 2014 o déficit foi de 5,7 por cento do PIB, 3,8 em 2016 e 6,3 em 2017. Todos esses déficits foram financiados por um endividamento crescente do Estado, tendo o rácio da dívida pública em relação ao PIB saído de 30 por cento, em 2013, para aproximadamente 90 por cento, nos dias de hoje.

Informou que os esforços do Executivo vão no sentido de colocar o rácio da dívida em relação ao PIB ao redor dos 60 por cento até 2022.

O governo reitera que não há qualquer dúvida de que para se resolver os grandes problemas sociais do país, com particular realce para o desemprego, tem de sair da recessão económica em que o país se encontra.

O Executivo propõe-se prestar especial atenção ao aumento da produção nacional e do número de empregos no país, através do Prodesi, para que a produção dos 54 produtos seleccionados por este programa atinja níveis de auto-suficiência em relação ao consumo interno, diminuindo ou eliminando nos próximos anos a importação desses produtos.

Informou que o Executivo vai trabalhar para aumentar a quota de mercado da produção interna destes produtos face aos importados e, assim, incrementar os rendimentos das empresas nacionais, das famílias e o emprego.

Para o efeito, as compras do Estado, com destaque para o abastecimento das Forças Armadas e da Polícia Nacional devem priorizar a aquisição da produção nacional.

Anunciou estar em fase de conclusão um concurso aberto e transparente de aquisição de géneros alimentares, produtos de higiene e de limpeza a produtores nacionais para as FAA.

Assuntos Angola   Parlamento  

Leia também
  • 19/11/2019 18:21:05

    Os desafios da liberalização da taxa de câmbio

    Luanda - O Banco Nacional de Angola (BNA) decidiu, a 23 de Outubro último, avançar com a medida de liberalização cambial, um dos últimos recursos para fazer face ao risco de escassez de divisas (moeda convertível) no mercado nacional.

  • 08/11/2019 20:49:52

    Angola luta contra urbanização precária

    Luanda - Numa altura em que o Mundo celebra o Dia do Urbanismo (08 de Novembro), focado na criação de cidades sustentáveis, cujas políticas respeitam e preservam o meio ambiente, Angola continua a enfrentar dificuldades para vencer a "batalha" contra os bairros suburbanos.

  • 24/10/2019 03:03:10

    Rússia: Acordo reforça fornecimento de gás

    Sochi (Dos enviados especiais) - Angola e Rússia assinam hoje, quinta-feira, em Sochi, um acordo empresarial privado no domínio do fornecimento de gás, anunciou, nesta cidade, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo.