Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ciência e Tecnologia

20 Maio de 2020 | 15h30 - Actualizado em 21 Junho de 2020 | 13h53

Huawei mantém investimentos e serviços

Luanda - A Huawei, multinacional chinesa de telecomunicações, manifestou, esta quarta-feira, o compromisso de continuar a investir e disponibilizar os seus serviços aos clientes espalhados pelo mundo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Logotipo da HUAWEI

Foto: Divulgação

Em nota de imprensa enviada à ANGOP, o maior fornecedor mundial de equipamentos de telecomunicações e segundo maior fabricante de smartphones declara-se aberto à cooperação com fornecedores e parceiros.

Só em Angola, a empresa chinesa já investiu mais de USD 60 milhões para a construção de um Centro de Inovação e Formação em Talatona, Luanda.

O referido centro prevê beneficiar mais de 500 estudantes, a partir do ano de 2022. Entretanto, conforme a nota da Huawei, a empresa vê com preocupação as recentes restrições impostas pelo Governo Americano.

A administração Trump ordenou, a 16 deste mês, que as empresas estrangeiras que usem equipamentos para o fabrico de componentes tecnológicos nos EUA, sejam obrigadas a obter licença no país, antes de os fornecer à Huawei.

Na sua nota, produzida no final da 17ª Reunião Anual de Analistas Globais da empresa, que decorre de 18 a 20 de Maio, a Huawei sublinha ser esta uma decisão "unilateral e arbitrária".

Deste modo, manifesta a sua preocupação, pelo facto de, na sua perspectiva, a decisão colocar em causa toda a cadeia global de produção e distribuição tecnológica.

De acordo com o referido comunicado, esta decisão da administração dos EUA "vai afectar os serviços de telecomunicação de mais de três mil milhões de pessoas, que usam produtos e serviços da Huawei em todo o mundo".

A empresa chinesa entende que, a longo prazo, a medida "prejudicará a confiança e a colaboração no mercado global de semicondutores, da qual muitos sectores dependem".

"Apesar de passar a estar submetida a duras restrições, a Huawei manifesta o seu compromisso de investir mais, continuar a disponibilizar mais serviços aos seus clientes, mantendo-se aberta a cooperar com fornecedores e parceiros em todo mundo", sublinhou a multinacional na sua nota de imprensa.

Fundada em 1987, por Ren Zhengfei, a Huawei é actualmente avaliada em USD 858.8 mil milhões, estando presente em 170 países.

Conta com uma força de trabalho de 180.000 trabalhadores. Está presente em Angola há quase 20 anos, ao longo dos quais tem prestado serviços nas áreas de sistemas e equipamentos tecnológicos para os sectores público e privado.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 17/06/2020 13:35:27

    Especialista informático quer abordagem sobre crimes cibernéticos

    Luanda - O especialista em crimes cibernéticos, Hélio Pereira, afirmou, na terça-feira, ser necessário a promoção de uma abordagem séria sobre os crimes cibernéticos, face ao aumento de notícias sobre este tipo de crimes no país.

  • 26/05/2020 20:24:28

    Huawei Angola apresenta "Home study"

    Luanda - A multinacional Huawei Angola apresentou, nesta terça-feira, a solução " home study" destinado a suportar o projecto TIC Talent, que envolve instituições do ensino superior ligadas às tecnologias.

  • 20/05/2020 15:47:34

    Ministro quer empresas rentáveis e operacionais

    Luanda -O ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, afirmou, nesta quarta-feira, a necessidade de as empresas se tornarem modelos de gestão modernos, rentáveis e operacionais, para apoiar o desenvolvimento social e económico do país.