Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

07 Junho de 2019 | 18h53 - Actualizado em 07 Junho de 2019 | 19h11

Suspensas negociações para nomeação do Governo na RDC

Kinshasa - As negociações para a nomeação do primeiro-ministro da República Democrática do Congo (RDC) foram suspensas, anunciou o presidente do país, Félix Tshisekedi, após uma reunião com o seu antecessor, Joseph Kabila.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi

Foto: António Escrivão

Nomeado a 20 de Maio, quase quatro meses depois da tomada de posse do Presidente, Sylvester Ilunga Ilunkamba ainda não foi investido pelo parlamento, cuja sessão ordinária termina no dia 15 de Junho.

"No final das negociações, teremos Governo", disse em declarações à imprensa o primeiro-ministro indigitado.

Citado pela Agência France Presse (AFP), depois de uma reunião com o seu antecessor, Bruno Tshibala, para a passagem de pasta, Ilunda Ilunkamba disse, dirigindo-se à imprensa local: "Sejam pacientes, a criança nascerá em breve".

Félix Tshisekedi foi declarado vencedor das eleições presidenciais a 30 de dezembro, mas o seu antecessor, Joseph Kabila, manteve uma grande maioria no parlamento, de acordo com os resultados oficiais.

A coligação para a Mudança de Félix Tshisekedi e a Frente Comum do Congo, de Joseph Kabila, estão em negociações para a divisão de pastas no novo Governo.

Segundo a AFP, se for nomeado, o Governo da RDC poderá ter 39 ministros, 13 vice-ministros e quatro vice-primeiros-ministros.

Tensões entre os dois partidos mais votados surgiram esta semana. Os partidários de Kabila criticaram o Presidente Tshisekedi por fazer duas nomeações sem que estas fossem autorizadas pelo primeiro-ministro, o que consideram ser uma violação da Constituição do país.

A organização não-governamental Associação Congolesa para o Acesso à Justiça disse ter tido "acesso a cópias de ordens", e afirma que estas foram autorizadas pelo primeiro-ministro cessante, Bruno Tshibala.

Assuntos RDCongo  

Leia também